PROFESSORES COM TRANSTORNO MENTAL

Transtornos Mentais! Aposto que você conhece alguém dentro da Escola que foi afastado ou está sofrendo com isto. O assunto é tão grave que há vários profissionais da educação que não conseguem  nem ouvir a palavra “ aluno” ou “ escola” devido a ansiedade, depressão, e vários outros problemas associados aos transtornos mentais.

RAIO X DOS TRANSTORNOS MENTAIS NA ESCOLA:

Dados de levantamento da Globonews  mostram que até setembro de 2017, 27.082 docentes se afastaram devido a problemas por Transtornos Mentais. Esse número dobrou entre 2015 e 2016, nas escolas estaduais de São Paulo, saltando de 15.849  para 50.046.

Os números preocupam e nos  levam a fazer alguns questionamentos. Pois  se o Professor sofre adoecimento ao executar seu trabalho, que condições  ou recursos a Escola não está oferecendo que estão ocasionando isso? Que ambiente de trabalho é este que  provoca desestabilização da saúde dos Professores ?

Uma   pesquisa da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) aponta que 71% dos 762 profissionais de educação da rede pública de vários estados entrevistados no início de 2017 ficaram afastados da sala de aula após episódios que desencadearam problemas psicológicos e psiquiátricos nos últimos cinco anos. O estresse, muitas vezes provocado por situações de insegurança, tem a maior incidência, com 501 ocorrências (65,7%).

Vem seguido por depressão (53,7%), alergia a pó (47,2%), insônia (41,5%) e hipertensão arterial (41,3%). Há ainda aqueles que apresentaram apenas sintomas de mal-estar. Foram pelo menos 531 casos de ansiedade, 491 de cansaço ou fadiga e 480 referências a problemas de voz.

Para se ter uma idéia da dimensão do problema, em 2016, só em São Paulo ocorreram, durante todo o ano, 136 mil afastamentos médicos de Professores da rede estadual, ou seja, o equivalente a 372 licenças por dia. Sendo que a principal causa destes afastamentos foram os transtornos mentais de comportamentos, responsáveis por 27,8% dos casos.

CAUSAS DOS TRANSTORNOS MENTAIS :

Creio ser muito simplista e até precipitado afirmar que as causas deste adoecimento são originárias dos baixos salários ou carga horária elevada devido ao trabalho em mais de duas escolas. Esses fatores certamente contribuem com o atual quadro geral de afastamentos, mas não são as causas principais.

A pressão no ambiente de trabalho, com gestores despreparados para gerir pessoas aliada  a  indisciplina dos alunos,  afetam diretamente a saúde dos professores.

Afinal quem consegue ensinar em uma sala de aula com 40 alunos quando apenas meia dúzia apresentam algum interesse em estudar de verdade? Quando os resultados dos demais são sofríveis e medíocres pois muitos dos alunos do Ensino Fundamental II e Ensino Médio,  não dominam sequer conhecimentos básicos e rudimentares das séries iniciais ?

Como não nutrir um sentimento de impotência e frustração? E como continuar trabalhando se o fruto do seu trabalho não repercute em mudança de vidas e da realidade social da comunidade em que a escola está inserida?

E como continuar indo para um ambiente onde o normal é sofrer humilhações, xingamentos, desrespeito, violência psicológica e até violência física?

 

TRANSTORNOS MENTAIS: SERÁ QUE TEM JEITO ?

 A mente é uma coisa complexa e o que serve para um indivíduo, talvez ocasione  pouco efeito para outro. De qualquer forma sempre podemos encontrar pontos em comum que podem vir a beneficiar a todos. Então, no caso dos transtornos mentais que acometem muitos professores, podemos levantar algumas sugestões que podem vir a minimizar e/ou até mesmo evitar que tais transtornos ocorram.

  • Causas Externas dos Transtornos Mentais: estão ligados ao ambiente físico, tais como: pessoas (alunos, pais, gestores), lugares e circunstâncias, recursos físicos, materiais, organizacionais e institucionais.

Quando as causas são de ordem externas o mais indicado é buscar ajustes ou maneiras de minimizar os seus efeitos. Por isso é necessário aqui, que se faça uma reflexão muito profunda e honesta: O ambiente em que trabalho pode ser alterado? Posso propor ajustes que minimizem os efeitos danosos a minha saúde? Em caso negativo, estou aberta a mudar de ambiente e buscar outro com menos influências nocivas a minha saúde? Estou aberta a ser realocada para outra área dentro da Escola ?

Já mudar pessoas ou esperar que elas mudarem é bem mais complexo, então quando o caso é o gestor que se relaciona com a equipe de maneira tóxica, o mais indicado é trocar de local de trabalho.

Como se vê, a decisão de permanecer em uma situação que nos traz agonia e adoecimento pode ser revertida quando realizamos um enfrentamento honesto da mesma.

 

  • Causas Internas dos Transtornos Mentais : estão associadas ao estado de espírito, humor, emoção, crenças, falta de empoderamento, domínio próprio, problemas pessoais que estiver enfrentando ( financeiros, perda de um ente querido, divórcio, drogas, etc).

Quando as causas são internas, ou seja referem-se às emoções, crenças e estado de espírito da pessoa que sofre o transtorno mental, então o mais apropriado é buscar ajuda médica,  terapêutica e  aconselhamento.

As situações a nossa volta são vistas conforme a nossa percepção de mundo, e se esta percepção está abalada ela é enxergada de modo distorcido que não corresponde a realidade coletiva. Ela corresponde apenas à nossa realidade individual. Isto torna-se muito perigoso, pois tudo começa a ser filtrado de um ponto de vista muito aterrador,  o que só contribuiu para que o indivíduo afunde ainda mais em um sentimento de impotência e por vezes de autocomiseração.

Se você conhece alguém que está sofrendo com transtornos mentais , procure aproximar-se e oferecer ajuda. Por vezes esta ajuda implica apenas em estar perto, ter paciência para ouvir o outro e estar disponível para ajudar a elaborar melhor os sentimentos de tristeza quando estes ocorrem. Encontrar ouvidos atentos e uma mente sem julgamentos, é o maior desafio de quem está passando por transtornos mentais.

coordenação e gestão escolar

Confira Também:
Espalhe por ai!
Gostou? Então comenta!