Mantendo Todos os Alunos Focados nas Tarefas
Você consegue manter todos os alunos focados nas tarefas? Uma das coisas mais difíceis para  professores novos ou veteranos é  saber como injetar ritmo e propósito nas lições, bem como adequá-las às necessidades dos alunos mais lentos da classe, para que todos os alunos permaneçam focados nas tarefas.

Incutir o ritmo adequado sempre foi um componente importante de uma aula bem sucedida, particularmente com os  grupos de alunos com alto desempenho que são mais do que capazes de lidar com pelo menos uma hora de desafios intensos e diversificados. Estes alunos se destacam nas tarefas que exigem mais trabalho,  pois conseguem ser expostos aos  mais  diversos níveis de complexidade e isso é extremamente benéfico pois conseguem alcançar novos pontos de aprendizagem , ampliando seus conhecimentos com  novas idéias e conceitos.

É  extremamente tentador pensar em uma aula com um “ritmo implacável”’, em que os alunos estejam constantemente envolvidos e produtivos o tempo todo e focados nas tarefas, pois para o professor isso é sinônimo de  uma experiência de aprendizagem bem sucedida.

Tenho observado numerosas  atividades em que os alunos estão “ em constante agitação e movimento”, onde mal tem tempo de respirar antes da próxima lição. No feedback que dou ao Professores, costumo elogiá-lo nos  seus esforços e na qualidade das atividades dadas aos alunos, mas, em seguida, eu os questiono quanto ao seguinte aspecto que quero que reflitam: Quais foram as oportunidades que você propiciou aos seus alunos para que eles pudessem  avaliar e refletirem sobre o que foi  apresentado a eles?

Infelizmente, muitos professores, até mesmo os mais experientes, são avessos a incorporar em suas aulas “tempo de reflexão”, por medo dos alunos acharem que esse é um tempo perdido e que por esta razão, os alunos utilizarão esse momento com brincadeiras e perderão o foco do trabalho. Afinal manter os alunos focados nas tarefas envolve muito mais que apenas realizar tarefas escritas.

Os Professores  trabalham com a noção de que se os alunos  estiverem demasiadamente ocupados , o desenvolvimento das tarefas transcorrerá sem grandes perturbações, pois não haverá tempo para indisciplina.  Embora seja verdade que um animado ritmo de aprendizagem é um recurso crítico para manter  uma sala de aula bem disciplinada, é igualmente verdade que os alunos também  precisam de tempo de reflexão que possibilite o desencadeamento de novos “ insights”.

Em minha opinião, os professores mais bem sucedidos são aqueles que são capazes de gerar um verdadeiro sentido de ritmo e propósito em todas as tarefas, mas que também conseguem proporcionar aos alunos o pensamento reflexivo e a imaginação criativa. Com isto em mente preparei uma série  de orientações que irão ajudá-la a injetar o  ritmo adequado e tempo de reflexão  nas lições e com isso fará com que os alunos sejam mantidos focados nas tarefas:

A fase de planejamento:

Pergunte a si mesmo quem é que você quer  que trabalhe mais: você ou os alunos ?

Obviamente, não ignorando a sua contribuição  para a  elaboração e organização das lições, e isso por si só já é bastante trabalho para o professor realizar,  faça com que o aprendizado dos alunos seja o foco principal de todo o planejamento.

Mantenha seus alunos ocupados, focados nas tarefas, no entanto também  ofereça oportunidades  de reflexão e criação. Para tornar esse momento de reflexão e criação produtivo, proponha aos alunos o trabalho com enigmas, questionamentos  mais complexos ou inusitados,  novos pontos de vistas , análise de um problema sob novos ângulos de trabalho, etc. Deixe claro desde o início que você vai estar esperando novas respostas, novos insights.

Tarefa de Entrada:

Tenha uma “Tarefa de Entrada” pronta para que os alunos executem assim que  entrarem na sala de aula.

Exemplos de “ Tarefa de Entrada”  são anagramas, caça-palavras, palavras cruzadas, interpretando ilusões ópticas, elaboração de respostas de adivinhações e charadas, observação de imagens, etc.

Se você puder criar tarefas que incentivem os alunos a abrirem os livros ou começarem a escrever e fazer anotações, melhor ainda. Pois isso ajudará a introduzir um senso de ritmo na organização do tempo da aula e quando os alunos menos perceberem já terão começado a realizar as tarefas sem todo aquele stress característico quando o professor já começa a aula dizendo “ peguem os livros e abram na página tal”.

Esta é a função das “ Tarefas de Entrada”, fazer os alunos  buscarem as respostas de forma  mais espontânea pois eles terão de recorrer aos próprios recursos (ex. livros, dicionários, conhecimentos prévios, senso comum etc.), e isso os “ aquecerá” para o que virá logo na sequência.

Atividade Disparadora:

Planeje uma  “ Atividade Disparadora” que não precisará de uma longa introdução, no entanto ela deve ser   rápida  e focada.

Mais uma vez, certifique-se  em deixar claro que esta é uma tarefa para todos os alunos fazerem. E neste caso introduzir uma certa pressão sobre os alunos  para que executem suas instruções é até saudável.

Objetivos de Aprendizagem:

Escreva os objetivos de aprendizagem no quadro negro para que os alunos copiem.

Se você desejar ser mais rápida ainda, basta digitar os objetivos e já trazer impressos para a turma, e pedir que os alunos colem logo no topo do caderno. Ao fazer isso você não terá de esperar que os alunos mais lentos terminem de copiar para dar continuidade às  lições.

Passo a passo das instruções:

Coloque todas as instruções para a realização das tarefas  de casa no quadro negro.

Informar os alunos que você verificará se todos copiaram as instruções até o final da aula.  Tenha, já definido, qual será a sanção e/ou penalidade para aqueles que não fizerem isso. Ao adotar esta sistemática você incutirá em todos o senso de urgência e importância da tarefa.

As fases iniciais das lições:

  • Certifique-se de que assim que os alunos entrarem na sala de aula, sejam conduzidos para a realização da “ Tarefa de Entrada”.
  • Verificar se os alunos estão focados na tarefa de entrada e quais ainda não estão.
  • Certifique-se de que você também esteja completamente pronta para iniciar a aula e que todos os recursos referentes a lição esteja sobre a sua mesa de forma organizada e em quantidade suficiente para atender a todos os alunos. Lembre-se: mesa bagunçada com papéis para todos os lados  sugere que você ainda não está pronta.
  • Verifique, antecipadamente, se os equipamentos requeridos para a sua aula estão funcionando e prontos para usar.
  • Adote a política de não lidar com consultas individuais dos alunos até que a classe esteja preparada e tenha iniciado a tarefa. Não fique a mercê dos alunos, e  de situações que não estejam relacionadas a tarefa. Muitos alunos são extremamente hábeis em fazer perguntas que deliberadamente tem um único propósito: atrasar a execução da tarefa e boicotar a sua aula.
  • Embora seja importante lidar com os alunos retardatários, você não tem que fazê-lo imediatamente. Ficar envolvida  em discussões e / ou argumentações  sobre os motivos do  atraso, só faz com que seja desperdiçado o seu valioso tempo, fazendo com que no final você fique com pouco tempo, o que acaba gerando um stress desnecessário. A saída é, dizer aos alunos retardatários que você ouvirá as justificativas deles mais tarde, no FINAL da tarefa, ao fazer isso você garante que a grande maioria esteja focada na tarefa, e evita que alguns tumultuem toda a sua aula.
  • Em um mundo ideal e perfeito eu aconselharia que todos os materiais e/ou recursos que os alunos fossem utilizar naquela aula estivessem todos organizados sobre uma mesa para que a medida que os alunos chegassem pudessem fazer uso deles. No entanto, sou realista o suficiente para saber que no alvoroço e correria do dia a dia escolar nem sempre isso é possível. Então a saída é disponibilizar os recursos na ordem em que os mesmos precisarem ser utilizados e  socializar esses recursos com os alunos, já que nem sempre a escola dispõe da quantidade em número suficiente para todos. Adotar este procedimento  evita que a sua aula seja interrompida a todo instante para buscar algo, e faz com que as lições tenham um fluxo contínuo, contribuindo assim para que todos fiquem MAIS tempo concentrados na tarefa.
  • Enquanto os alunos estiverem concentrados na tarefa disparadora, você pode adiantar outras coisas tais como: preparar-se para a próxima lição, verificar se os alunos copiaram as instruções da lição de casa que está no quadro negro etc.

A fase central da lição:

Para cada atividade, tenha em mente fornecer as instruções para os alunos utilizando recursos verbais e visuais. É importante lembrar que muitos alunos precisam OUVIR e VER as instruções de uma tarefa antes de começar a realizá-la.

Quer você tenha uma sala de aula com alunos de aprendizado mais lento,  alunos com comportamentos desafiadores  ou ainda uma sala multi seriada, recomendo fortemente que você elabore uma Lista de Tarefas (Check-List). Use esta Lista de Tarefas mesmo que seja para passar instruções básicas, e peça aos alunos que eles assinalem quais itens da Lista de Tarefas eles já completaram.  Isso faz com que  perguntas do tipo:  “ Professora, o que eu tenho de fazer agora ?”, seja reduzido drasticamente.

Os benefícios da adoção desta estratégia são vários: em primeiro lugar, os alunos vão começar a assumir a responsabilidade pela sua própria aprendizagem ; em segundo, ocorrerão  muito menos interrupções nas aulas ; em terceiro , o ritmo da aula aumenta drasticamente ; e  quarto, os níveis de estresse serão reduzidos de forma maravilhosa !

Exemplo de Lista de Tarefas (Check-List) :

  • Escreva o título do trabalho e anote os objetivos no seu caderno.
  • Usando o espaço previsto para você em sua folha de exercícios, faça a ‘busca da palavra’, anote todas as  palavras que você possa encontrar .
  • Quando você encontrar as palavras que estão faltando , anote-as no caderno.
  • Usando o Dicionário, ou Glossário que há no seu livro na página 12, descubra os significados dessas palavras.
  • Organize as suas respostas pois às 09.50 iniciaremos o debate com o grupo para compartilhamento das respostas

Ao informar os alunos do tempo  que eles têm para completar uma tarefa ou atividade,  fazê-lo usando o tempo “real”. Ter um relógio visível na sua classe é primordial. Na minha experiência, ao observar salas de aula, constatei que os professores muitas vezes são condescendentes com o tempo que atribuem às tarefas.  Cinco minutos tornam-se 10 e depois muito mais ainda.

Tenho observado aulas em que o professor atribuiu aos alunos 10 minutos para concluir uma atividade e, depois de passados 30 minutos, o professor informou a classe que  a tarefa seria feita conjuntamente. Ora, se os alunos sabem que você não cumpre o que diz eles farão muito pouco, ou pior ainda, não farão nada.

Para dar aos alunos uma indicação de quanto tempo eles já usaram na execução da tarefa, você pode iniciar uma contagem regressiva dizendo:  “Vocês tem quatro minutos, três minutos, dois minutos”.

Há outras formas de fazer esta contagem regressiva de uma forma divertida utilizando música que aumentam a sensação de urgência.

Existem alguns programas de TV que realizam gincanas ou brincadeiras e quando o candidato tem um determinado tempo para realizar uma tarefa entra no ar uma música, então você pode selecionar essas músicas e utilizar na contagem regressiva das suas tarefas para indicar que os alunos terão mais 30 segundos para finalizar.

Faça  com que, desde o início,  as  suas expectativas e as circunstâncias de aprendizagem sejam absolutamente transparente para os alunos, e  que sejam consistentes em todos os momentos: por exemplo, a tarefa que envolve registro de informações será realizada em silêncio. Se você tiver estipulado aos  alunos dois minutos para discutir um problema com um colega, então dois minutos é o que ambos terão, nem mais, nem menos. Se você tiver solicitado a classe que trabalhe em silêncio então deverá ter claro qual será a penalidade caso isso não ocorra.

Outra forma de manter o ritmo e o foco da tarefa é introduzir  elementos que agucem e instiguem uma competição saudável entre os alunos. No entanto você precisa ter muito cuidado para que os resultados desta competição não prejudiquem a execução da tarefa comprometendo o aprendizado. Outro fator a ser considerado são os alunos com aprendizado e ritmo mais lento, e que no caso de uma competição podem ser desfavorecidos e sentirem-se incapazes, então neste caso a competição potencializaria questões negativas e só contribuiria para piorar uma situação já existente.

Selecione músicas, clássicas ou contemporâneas,  mais ritmadas com um compasso mais acelerado para introduzir um senso de movimento mais cadenciado nas suas aulas. Alternativamente, se você desejar diminuir o ritmo de uma lição, basta substituir a música por uma que tenha o ritmo mais lento ou pausado.

Definir as tarefas que requeiram que os alunos partilhem suas contribuições com um colega, com um grupo, ou com toda a classe.  Se os alunos sabem que  alguém no grupo assumirá a  responsabilidade de compartilhar, eles serão mais propensos a optar por não realizar a atividade. No entanto, se eles sabem que têm de partilhar as suas contribuições pessoais com um parceiro, com um grupo ou com toda turma, onde terão de demonstrar seus novos conhecimentos, com certeza eles sentirão mais pressionados  para completar a tarefa.

Uma boa maneira de garantir que os alunos trabalhem focados  e com o melhor de sua capacidade, é quando o professor adota o hábito de  circular na sala de aula, e onde passar, quando  encontrar um  aluno  que não esteja trabalhando,  ao invés de falar algo para o aluno, parar, em silêncio, anotar no canto superior do caderno ou livro a hora. Depois de 5 minutos o professor passa novamente e observa qual foi a produção do aluno durante este pequeno intervalo de tempo. Fazer isso é muitas vezes suficiente para transmitir ao aluno que você  está de olho nele e que voltará  para verificar o quanto de  trabalho foi realizado.

Se você tem alunos responsáveis e dedicados, regularmente designe-os como “ Ajudantes/Auxiliares” cuja atribuição será supervisionar e auxiliar o professor a manter a dinâmica e o foco  da turma durante a execução das tarefas.

A fase final da aula:

Certifique-se de que você sempre execute o momento da finalização da tarefa, ou como costumo chamar: Plenária da tarefa. Este momento deve ser breve, porém muito focado e conciso. Aqui vão alguns exemplos: 

  • “Você tem dois minutos para anotar dois fatos que você aprendeu nesta lição.”
  • ‘Volte-se para o seu colega e fale duas razões para………. “.
  • ‘O que este  poema ensinou sobre você mesmo?’
  • “Como você pode usar este novo aprendizado em outras situações ?
  • “Desenhe um esboço e/ou gráfico rápido que represente o aprendizado que você alcançou hoje.”

Selecione alguns alunos ou grupos de alunos e  utilize seus novos aprendizados e/ou insights para  criar as perguntas para a Plenária ou  ainda para preparar a Tarefa Disparadora da próxima lição.

Se você estiver recebendo o feedback dos alunos durante a aula, peça a um aluno para registrar as idéias no quadro enquanto você  guia  o debate. Isso permitirá que você esteja focada na classe  e certificando-se de que cada aluno esteja ouvindo atentamente.

Utilizando a técnica da Plenária ao final de cada lição, você controla e  também gerencia simultaneamente o tempo da aula.

 Gostou das dicas?

Compartilhe aqui no blog as suas estratégias

para manter os seus alunos focados nas tarefas.

Confira Também:
Espalhe por ai!
Gostou? Então comenta!